25 de abr de 2008

Nostradamus (Face / 1993) - Arcade

O layout do site ficou pronto há alguns meses, esperando o primeiro post. Decidi que vou intercalar clássicos e ilustres desconhecidos entre os shmups aqui apresentados. Como na imagem de fundo do site eu usei o clássico Radiant Silvergun, da Treasure, vou escrever sobre um ilustre desconhecido, chamado Nostradamus.


A grande pergunta sobre este jogo é: Porque raios esse nome? Ok, uma invasão alienígena é um fim-do-mundo - fato - mas por que usar o nome do cara em um shmup? Esta, acima, é a tela inicial do jogo. Talvez por isso ele não tenha recebido a atenção devida. Quem sabe se tivessem usado as peladonas do Ibara...



O jogo é graficamente bonito e utiliza duas opções de tiro: O normal (apertando repetidamente o botão) e o charge (o famoso super-tuchão), ambos variando conforme a seleção de personagem na tela inicial. Uma pena que não seja possível selecionar qualquer um dos personagens em qualquer dos jogadores (ou seja, o P1 sempre joga com o cara da esquerda, o P2 sempre com a moça da direita), já que são naves diferentes.














Eis uma das peculiariedades do jogo: Há um power up que troca todo o sistema de armas e o super-tuchão da sua nave. Como no jogo não há a tradicional "bomba", você depende do super-tuchão para te salvar o tempo todo, devorando tiros menores do inimigo, fazendo dano em minibosses e limpando a área ao redor da sua nave. Com o option azul, você lança uma coluna de plasma que corta a tela toda na vertical (foto da direita). Com o vermelho, você dispara as "Phoenix Wave", que, apesar de virem com um grito ridículo de brinde, limpam uma área circular ao redor da nave (na esquerda). Há também power ups (alguns escondidos) para aumentar o poder de fogo normal, dar pontos e colocar sua nave com 100% do potencial de destruição.














Score:

Gráficos: 8.0 - Tudo muito bem acabado, com exceção de alguns pontos onde faltaram uns frames. Os "homing lasers" dos inimigos, por exemplo, dão pulos horríveis ao andar pela tela e as explosões são primárias. O que me leva a crer que pode ser que esta feiura de alguns detalhes do jogo tenha sido intencional, pois o resto todo é um excelente trabalho.

Som: 5.0/3.0 - Como joguei Nostradamus no MAME, pode ser que o som não esteja 100% emulado. Espero que seja isso, caso contrário, não dá para acreditar como o som deste jogo é ruim. Os efeitos sonoros são ótimos, mas a música é terrível! Segundo as especificações técnicas da placa, o som usa um YM2610, que é mais do que suficiente para um jogo de 1993. No entanto, a música parece com a de um Master System! Por que estragar um trabalho tão bom, deixando a música tão feia? Não sei se o driver de emulação não está 100% perfeito (não vi mensagens de erro) ou se o jogo é assim mesmo, mas não é possível que ninguém tenha notado esta deficiência. Vou considerar a nota como 5.0 com esta ressalva, já que, ao que parece, não pude ouvir o som original.

Desafio: 8.0 - Nostradamus não é para iniciantes. Mesmo não sendo um "bullet hell", a ação é rápida, furiosa e os inimigos vem de todos os lados. Com o passar das fases a coisa se torna ainda pior. Sem um pouco de treino, do estágio 3 em diante, a surra se torna inevitável.

Diversão: 8.0 - O conjunto todo da obra (com exceção do som, que é medonho) é muito bom e garante várias horas de jogatina. O modo 2 players é sensacional. Se os dois jogadores conseguirem coordenar os super-tuchões, alternando phoenix/plasma quando necessário, a dificuldade cai bastante e o jogo ganha uma longevidade imensa. A quantidade de power ups também não é pouca, o que faz com que você consiga manter um poder de fogo de médio à alto boa parte do jogo.

Overall: 7.5 (arredondando para cima, pois o jogo, como um todo, é bem legal).

Pontos interessantes:

- O chefe da 5a fase parece o Robo Gigante da série de TV.
- A 7a fase toda é uma versão vertical da "Mega Battleship" da 3a fase de R-Type. Muito bacana.
- Ao segurar o botão de tiro para carregar o super-tuchão, forma-se um escudo que pode ser usado para barrar tiros menores do inimigo. Com alguma prática, isso se torna muito útil.
- O último chefe é bizarro. Vale à pena ir até o final só para conferir.

Especificações técnicas:

Plataforma: Arcade
Ano de lançamento: 1993
Jogadores: Até 2 simultâneos.
CPU: 68000 (16Mhz) + Z80 (7Mhz)
Som: YM2610 (8Mhz)
Display: Vertical, Raster, 224 x 320 pixels, 4096 cores.

Um comentário:

muriloq disse...

Nunca tinha ouvido falar no Nostradamus, e o review ficou muito bom. Kudos!