27 de dez de 2009

Mais um vídeo de Duality ZF: 3 Players Boss Rush mode!

Eu falei do Duality ZF há algum tempo, um shmup que vai sair para Xbox 360 e PC. O jogo promete ser um shmup vertical rápido, violento e com suporte a multiplayer. Mas acho que isso eu também já falei.


Também já falei como eu estou ansioso pra isso aqui sair logo?

Segundo os autores, há alguma burocracia para conseguirem o contrato com a Microsoft para publicação na XBLA, o que, imagino eu, deve ser uma dor-de-cabeça gigantesca. Só por isso o jogo ainda não tem uma data de lançamento oficial. O vídeo acima mostra opção de 3 players em modo boss rush.

Vamos lá, Microsoft! Libera logo o jogo na XBLA e faça a gente feliz!

26 de dez de 2009

Irukanji - PC / Mac / Linux

Outro dia estava passeando pelo google, como sempre faço, procurando por novidades. Dei de cara com este jogo, o que foi uma grata surpresa.


Irukanji, que é o nome de uma espécie de água-viva minúscula e mortífera, é um shmup muito bem-acabado para Windows, Mac e Linux. O jogo lembra vários shmups tradicionais com seu scroll vertical e ondas de inimigos. Gostei muito da trilha sonora e dos efeitos de luz, além da jogabilidade, que é excelente.

O jogo custa a $1,00 (um dollar) e pode ser pago via paypal. Recentemente, o autor do jogo colocou em promoção: Os dois jogos dele por $1. Para comprar, vá até a página do autor e siga as instruções. Em caso de dúvida, aqui vai: Sim, o jogo vale seu $1. Pense nisso como um estímulo para futuros jogos que o autor pode vir a fazer.

25 de dez de 2009

Razor 2: Hidden Skies

Mais um shmup, este feito por brasileiros. Não consegui contato com os autores, queria fazer um release mais completo, mas, vai assim mesmo.

Razor 2, ao que parece, vai ser lançado para PC, X360, PS3, Wii, iPhone, iPod, geladeira, fogão, lava-roupas e microondas.Por enquanto, só tenho o vídeo abaixo. Se pintarem mais novidades, posto aqui imediatamente.

9 de dez de 2009

Soldner-X 2 (Beta) - Primeiras Imagens


Soldner-X, um fiasco de shmup bonitinho, mas ordinário, finalmente ganha uma continuação. Não sei se o pessoal do Estúdio SideQuest andou revisando os conceitos e ouvindo a opinião do público. Eles eram novatos no negócio, lançaram um jogo com a cara e a coragem e não conseguiram arranhar as necessidades do público com o primeiro Soldner-X.

Se me perguntassem o que eles andaram fazendo nos últimos meses, eu diria: Jogando os shmups da Cave! Pelo menos já aprenderam a pintar os tiros com cores berrantes, o que já é um bom começo.


Enfim, apesar dos pesares, em pleno final de 2009, onde os únicos shmups que saem no mercado são uns malditos clones de Geometry Wars, um shmup tradicional que parece estar se baseando em boas influências é, sem dúvida, uma excelente notícia! Estas telas são algumas das primeiras do beta de Soldner-X 2. O monstro absolutamente R-Typeano, as balas com cores berrantes e as chuvas de tiros estilo bullet-hell me dizem que pode vir coisa boa por aí.

Vamos aguardar mais novidades. Para ver mais fotos, clique aqui.

4 de dez de 2009

Cho Ren Sha 68K - PC / Windows


Ok, essa é a rapidinha de hoje. Não tem o que jogar no final-de-semana? Tente este download. Trata-se de Cho Ren Sha, um jogo portado do X68000 para o Windows. Não sei exatamente o motivo, pode ser que tenha feito sucesso no Japão. O jogo é simples, porém, é full e remete aos bons shmups da década de 80/90. Tenta aí, depois me fala o que achou!

2 de dez de 2009

Espgaluda 2 - Para X360!


Parece que o X360 virou o point dos shmups mesmo. Engraçado, pois o PS3 vende muito mais no Japão. Agora é a vez de Espgaluda 2, que é continuação de um jogão de PS2. Espero que coloquem opção de multiplayer online! E a pergunta permanece: Cadê Dodonpachi???

31 de out de 2009

R-Type Flash of the Void - Preview (PSN)

Ok, não era exatamente o que eu esperava quando ouvi falar que seria feita uma sequência de R-Type, mas tenho que confessar que o jogo não me parece nada mal para um rail-shooter. O jogo, que será exclusivo da PSN, será lançado mês que vem e tem um visual bem agressivo, com um HUD cheio de coisinhas. Parece interessante. Ainda preferia algo no formato tradicional, mas rail-shooters bons são raros hoje em dia, ainda mais com o peso da Irem na produção.

Na Famitsu tem mais fotos, ainda que só se mostre mais do mesmo.

A grande pergunta é: Como vamos controlar o Force estando atrás da nave?

27 de set de 2009

Mushihime Sama para X360 em Novembro!

Confirmadíssimo! Depois de Raiden IV, Mushimime Sama sai para o X360 dia 26 de Novembro, em disco, como todo mundo queria. Quem não conhece este jogo, é um bullet-hell violento da Cave. Há versões para PS2 e Arcade, mas tudo indica que este vai ser totalmente novo.

Não se deixe levar pela menininha da capa. Não é um "cute'em'up" (que eu, particularmente, odeio com raras ressalvas). É um shmup baseado em insetos, com algumas animações bem bacanas e realísticas dos bichões e uma dificuldade absolutamente desumana.

Ah, e o jogo vai ser region-free! Uhuwl!

20 de set de 2009

Mais Thexder NEO - Primeiro vídeo

Estamos entrando em uma época interessante. Com jogos como Trine, Shadow Complex , Dust: An Elysiam Tale e Bionic Commando Rearmed, parece que os fabricantes descobriram que ainda há muito o que se explorar na orientação 2D clássica. Da década de 90 em diante, foi como se uma lei não-escrita obrigasse todos os fabricantes a transformar seus jogos em 3D, muitos títulos horríveis e conversões ridículas surgiram, e levou-se 10 anos para corrigir tal erro.

Agora mais um título foi salvo da conversão 3D porca. Saiu o primeiro vídeo de Thexder NEO e sim, ele é uma versão fiel do jogo antigo! Não transformaram o jogo em um Armored Core, ele é apenas e tão somente o velho e bom Thexder com roupagem atual. Detalhe para a trilha sonora.



A versão é de PSP, e sinceramente espero que as outras sejam iguais.

18 de set de 2009

Brasil pode comprar aviões do fabricante da Vic Viper

Não, eu não tomei drogas. Por conta de toda a polêmica da licitação de compra dos aviões franceses, estou acompanhando de perto as notícias acerca deste assunto. Ontem ouvi que a Boeing e a SAAB haviam entrado na concorrência, cada uma com aviões específicos (F-18 Super Hornet e Gripen-39, respectivamente), que serão montados pela Embraer, aqui no Brasil.

Todo mundo já ouviu falar da Boeing, mas a SAAB é meio obscura. Fiquei extremamente curioso para saber se ela não estaria vendendo lixo tecnológico ao Brasil. Como adoro aviões, fui googlear logo cedo para ver o que a empresa sueca produz e dei de cara com nada mais, nada menos que a Vic Viper.

Não, eu não estou brincando.

Para entender, primeiro, uma foto da Vic Viper original:


Agora, uma foto do SAAB-35 Draken, que com certeza inspirou os designers da nave.




Se encompridar um pouco as aletas de ar e puxar o cockpit mais para o centro, é a própria! Mais uma foto, só para provar. Com um photoshop e um espaço de fundo, é só colocar o letreiro "Gradius Zero - The Beginning":



Essa eu acho que você não sabia. :)

2 de set de 2009

Darius Burst (PSP) - Taito... DE NOVO! :)

Este screenshot é do Darius Burst, que vai sair para PSP em outubro. Não sou grandes fãs de Darius, mas sem dúvida é uma ótima notícia! Ah, Taito, o que seria de nós sem você...

Quem quiser ver mais, segue a notícia na íntegra aqui.

1 de set de 2009

Raystorm HD (PSN e XBLA)

Eu já falei que amo a Taito?


O que eu posso dizer de Raystorm em HD para PSN e XBLA?
Sensacional é pouco!

30 de ago de 2009

24 de ago de 2009

Thexder NEO (PSN / PSP)

Se você está na casa dos 30, provavelmente já viu este jogo. Era um robozinho que se transformava em uma nave, andando por um labirinto, com um laser teleguiado e um campo-de-força. Thexder fez muito sucesso nos tempos do MSX (sua melhor versão), mas também houveram versões para várias plataformas da mesma idade (ou mais novas). Lembro de ter jogado no NES também (fraquinha, mas divertida) e no Apple II GS de um amigo (argh! horrível!).

Thexder teve uma continuação excelente, de nome Fire Hawk - Thexder, the Second Contact, exclusiva para MSX (e, mais tarde, para PC). O jogo ficou muito mais complexo, já usava som FM e tinha várias armas e labirintos bem maiores e mais difíceis, porém, ficou restrito aos usuários de MSX2, que não era uma plataforma "mainstream" da época.

Eis que, 24 anos depois (mais velho que muito gamer de hoje em dia) o jogo ganha uma continuação prometida para PS3 (via PSN) e PSP de nome Thexder NEO. Sei lá o que a Game Arts (que não, não morreu!) e a Square/Enix vão fazer, mas para nós, da liga geriátrica de diversões eletrônicas, já é uma excelente notícia. Espero que eles peguem elementos tanto da versão original quanto do Fire Hawk, que também era um excelente jogo.

Será que, finalmente, esses caras vão assumir a crise criativa e vão começar a olhar para trás e reutilizar os títulos excelentes do passado nas plataformas atuais? Espero que sim.

14 de ago de 2009

Duality: ZF (Xbox 360)

Às vezes ficamos a nos perguntar: "Onde estão os clássicos?". Raiden. Gradius. Thunderforce. E a única resposta lógica que nos vem é: "No passado".

É possível, em pleno ano de 2009, esbarrar com um jogo que tenha todo aquele estilo de época? Tiros exagerados, trilha sonora furiosa, chefões enormes e tudo mais? Será que ainda sairão shmups que seguem esta fórmula? Ou será que estamos condenados a jogar clones e mais clones de Geometry Wars?

Verdade seja dita: Geometry Wars é legal. A continuação foi legal. Os primeiros dois ou três clones são legais. Mas os 625 jogos que seguiram a mesma fórmula são péssimos, como não poderia ser diferente.

E a pergunta permanece: Onde está o sucessor de Raiden? Cadê o Gradius? Cadê Thunderforce?

Pois bem, hoje, aleatoriamente, em uma sexta-feira meio (muito) parada, me deparei com Duality: ZF, dos iniciantes da Xona Games. O jogo segue uma proposta ousada e ao mesmo tempo clássica. É um Raiden com esteróides com alguns elementos à mais, como 4 players simultâneos e dual mode... e porque não 4 players e dual mode, totalizando 8 naves na tela? O tiro também fica ridiculamente grande, parece que são 32 evoluções em 2 modos de disparo, além de uma trilha sonora bem bacana.

O jogo está prometido para Xbox 360, custando 400 MSpoints. Sim, um jogo promissor e que custa uma merreca se compararmos com a quantidade absurda de lixo que tem para vender na rede da Microsoft por bem mais do que 400.

28 de jul de 2009

Space Invaders Infinity Gene (iPhone / iTouch)

A Taito sem dúvida descobriu como ganhar dinheiro com um de seus jogos mais velhos. E que nunca fica velho, diga-se de passagem. Space Invaders Infinity Gene é impressionante. Não sei até que ponto é verdade o que dizem no comercial, porém foi anunciado gameplay infinito, você monta suas próprias fases, ouve a sua música enquanto joga e customiza bastante o jogo. O curioso é que ele segue uma premissa de "evolução", que, ao que parece, invade até o próprio formato do jogo. Em alguns momentos ele parece mais um shmup com scroll vertical normal e a nave controlada pelo jogador não é mais fixa na parte inferior da tela. Os gráficos pseudo-retrô também ficaram muito bons e devem ter montes de power-ups, chefões e etc.

Quem quiser conferir o vídeo do anúncio, é só clicar aqui. Uma pena que eu não tenha um iPhone, nem iTouch nem nada perto disso.

13 de jul de 2009

Ikaruga no Xbox: 50% Off !

Esta é uma boa notícia para os felizes donos de Xbox 360: Aqueles que estiverem dispostos a gastar a fortuna de US$5,00 (400 Microsoft Points) pelo lendário shmup Ikaruga, já podem fazê-lo. O jogo está em promoção, sendo vendido com 50% de desconto na Live Arcade, rede de downloads do X360.

Quer minha opinião sincera? Vão ser os melhores 400 pontos que você vai gastar. Há um monte de joguinhos medíocres pelo dobro do preço, e Ikaruga vale cada centavo (ou ponto) investido. Comparativamente falando, em termos de qualidade de jogo x diversão, nunca houve uma promoção deste nível.

O jogo tem modo co-op, foi todo refeito para funcionar em HD, widescreen, som retrabalhado, etc. Ou seja, não é só um joguinho de Dreamcast por 400 pontos, como andaram falando. É o jogo, refeito em grande estilo.

E isso, claro, só me faz pensar que o novo projeto da Treasure, o suposto "Radiant Silvergun 3", deve estar para sair. Eles devem estar querendo "desovar" o maior número possível de downloads de Ikaruga antes de lançar o novo projeto. Ajuda no marketing e capitaliza com produto que está no mercado. Nada mal.

É especulação minha, mas vamos ver se eu não acerto dessa vez.

30 de jun de 2009

Faça você mesmo seu Shmup


O portal Kongregate Labs, sobre desenvolvimento de jogos, está falando sobre "Faça você mesmo seu Shmup". Os tutoriais estão bem completos, embora não sejam exatamente para inciantes. Quem sabe eu não me meto a fazer um?

12 de jun de 2009

Raiden IV vai sair no Ocidente ! (para Xbox 360)



Por falar em Raiden, segue uma boa notícia! Raiden IV vai ter versão ocidental para Xbox 360! Alguém no oriente sabe que o jogo vende bem por aqui, pois ele vem sendo lançado por aqui já há umas quatro gerações de games. Ao que parece, abandonaram a fórmula "puramente arcade" e partiram para opções de multiplayer, DLC, enfim, todos os updates necessários para esta geração.

E o desgraçado do jogo tá bonito, hein? Só espero que não esqueçam do tiro roxo como em Raiden III!

9 de jun de 2009

Hands On: Raiden Fighters Aces

Repare na imagem abaixo.

O pacote Raiden Fighters Aces possui 3 jogos. Um tem 8 naves, outro tem 12, outro tem 14. Peguei o ele há uns 10 dias e não consegui jogar o suficiente para sequer arranhar o jogo. Eu não consigo parar de jogar e quero muito fazer um review dele. Mas 14 aviões... putz... vai longe. :)
Espero ter algo para escrever em breve sobre Raiden Fighters Aces. Só digo uma coisa: O pacote é fantástico! Quem tiver um Xbox 360, pode pegar sem medo!

12 de mai de 2009

Solar Assault - O Gradius que você nunca jogou

Os arcades do Brasil nunca foram lá essas coisas, com exceção dos que foram montados nos grandes shoppings e parques de diversão.

Lembro que o do Playcenter era bem completo (com direito a máquina do Afterburner 2 e tudo mais) e o do Barra Shopping, no Rio, também (nesse eu vi Time Traveller e Rad Mobile, nos bons tempos em que a Sega apitava alguma coisa no mercado de games).

Porém, um amigo meu me perguntou esses dias: Se você pudesse escolher um arcade, qualquer um, para ter em casa. Qual seria?

A minha resposta imediata foi Solar Assault, versão 3D shooter do clássico. O jogo, que mais parece Starfox que Gradius, nem sequer chegou perto de vir aqui para o Brasil (óbvio!), mas foi lançado em 1997 no Japão e chegou a ter duas versões: Uma tradicional (gabinete comum de Arcade) e outra que, assim como o já citado Afterburner 2, vem montada em uma cabine com eixos pneumáticos que simulam o movimento da nave, além de uma tela enorme, que pega toda a frente do cockpit. Se fosse para dar uma de maluco e ocupar espaço em casa com algo enorme feito uma máquina de Arcade, que fosse uma tão fantástica quanto Solar Assault!

Para se ter uma idéia do que a gente perdeu, dê uma olhada neste vídeo da rom rodando no MAME, ainda em WIP, emulada com problemas. Depois olhe este vídeo (com qualidade pior), mas gravado direto da máquina original.

E para nós, que moramos na Jungle Land, a saída é esperar até que o MAME comece a emular melhor a rom, e, quem sabe, vamos ter a chance de pelo menos ver como o jogo é.

Obs: E você, se fosse ter uma máquina de arcade em casa, qual seria?

7 de mai de 2009

Indie Gaming: Guxt

Tudo o que é empregado em excesso faz mal. Isso é fato. Inclusive recursos.

Às vezes eu fico meio em dúvida se toda essa monstruosidade de recursos que os fabricantes anunciam nas specs das máquinas são realmente necessárias ou se chegam a atrapalhar mais do que ajudar. Ok, todo mundo gosta de gráficos bons, mas quantas vezes já presenciamos jogos absolutamente ruins ou simplesmente medíocres porque a produtora focou mais nos gráficos e simplesmente abandonou o gameplay? Ou a história? Ou os controles? Ou a AI dos personagens?

O exemplo mais típico que me vem à mente é Metal Gear, que só se tornou o que é hoje graças à falta de recursos. Em sua primeira versão de 1987, era para ser um jogo de tiroteio, correria e ação, como um Contra ou Ikari Warriors. A falta de recursos que o MSX e o NES tinham obrigou os designers a remodelar o jogo até que ele se tornasse um jogo de espionagem tática, que acabou dando certo no fim e fazendo talvez mais sucesso que se fosse mais um jogo de ação apenas.

Tirando este exemplo, existem inúmeros outros em que jogos ficaram mais legais com uma redução proposital de recurso disponível, e um exemplo disso é Guxt, o joguinho da figura, que mais parece um clone de Zanac para daltônicos.

Guxt não tem só duas cores. A cara de Gameboy em 95% do tempo foi proposital e ficou muito bom, mas tem outras cores no jogo também. Os tiros dos inimigos são em vermelho e tem algumas surpresas (ítens de bônus) que surgem em outra cor. O autor quis dar destaque e criar uma atmosfera diferente, e acabou fazendo todo o sentido. Ah, detalhe: O jogo todo tem menos de 1 Mb.

Quem quiser tentar jogar, pode baixar o arquivo daqui, mas fica o aviso: O jogo é difícil e só se joga pelo teclado (pelo menos até essa versão, que foi a mais nova que eu encontrei).

Obs: Este é um post Crossover, que saiu também no ArcadeRat, meu outro blog!

6 de mai de 2009

Novo Dodonpachi sai em breve nos Arcades (do japão!)

E quem achava que Dodonpachi tinha sido engavetado há alguns se enganou. A Cave, produtora do jogo, vai lançar dia 22 de Maio nos Arcades (do Japão, logo aí do lado) a nova versão do clássico que é considerado um dos melhores shmups de todos os tempos.

Dodonpachi - Daifukkatsu ("o grande renascimento") usa a terceira geração de hardware de arcade da Cave, cujas especificões ainda não foram reveladas à mídia. Os gráficos lembram muito a versão anterior, que saiu para PS2 e Arcade, só que a música está meio... hm... xoxa? O que há de errado com as guitarras do primeiro Dodonpachi?

De qualquer forma, é mais um bom shooter para o lineup de 2009, que já conta com vários títulos de peso, como a versão americana de Raiden Fighter Aces, coletânea para Xbox 360 com três "continuações espirituais" do também clássico Raiden.

5 de mai de 2009

Aviões esquisitos que você já derrubou (ou pilotou)

Se você já jogou Strikers 1945, jogos da série 194X ou os shmups da 8ing / Raizing, Takumi ou da Psykio, provavelmente já viu coisas como esta da figura abaixo. Elas provavelmente já apareceram como inimgos, ou, às vezes, como aviões jogáveis.



Aí você se pergunta: Será que isso foi viagem da cabeça do maluco do designer do jogo ou estes aviões existiram?

Eis que o brunobelo me enviou este site, com a história de muitos destes aviões-conceito.

Claro que algumas sem dúvida nenhuma foram produzidas com excesso de apelo criativo, mas
sim, boa parte destes aviões foram desenhados para ser armas de guerra e alguns até voaram!

Senti falta do Flying-Pancake, mas o site está bem completo e com muita informação. Vale um bookmark para futuras referências, especialmente para os vários game-designers que passam por aqui.

4 de mai de 2009

Ketsui para Xbox 360!


Os felizes fãs de shmups que possuem um Nintendo DS vão poder agora compartilhar sua alegria com os usuários de Xbox 360! Ao que tudo indica, está para sair para X360 uma versão "extra" de Ketsui Death Label, shooter da Cave (que são os autores de Dodonpachi e outros jogos sensacionais), que apareceu recentemente no mercado.

Não há ainda uma data de lançamento, mas o jogo já tem website e tudo mais. Resta saber se vai ser exclusivo para o público japonês, como de costume, ou se todas as regiões de Xbox 360 poderão acessá-lo.

2 de mai de 2009

Hail Ceasar !

Finalmente, as novas fotos da versão colorizada das naves do Gashapon Shooting Game Historica vol. 3. Eu, sem querer, chutei e acertei. A nave secreta (que está no canto inferior direito e/ou ainda escondida neste post aqui) é a Ceasar, de Star Soldier! Falei que era ela por puro chute e é ela mesma.

Ainda tem uma outra sacanagem. O fabricante está aceitando pre-orders e permitindo que os compradores escolham entre a nave vermelha ou a azul do Raiden. Como assim uma ou outra? E eu, que quero as duas, como fico? :)

1 de mai de 2009

King of Fighters: Sky Stage (Xbox 360)

Observe a imagem abaixo e responda:

Isso faz algum sentido para você?

Pelo visto, para o pessoal da SNK, deve fazer! A imagem acima é do jogo King of Fighters: Sky Stage, um shmup (sim, é um shmup!) que vai ser lançado na versão japonesa da Xbox Live Arcade.  No quadro da direita temos Kyo Kusanagi e Atena Asamiya voando, e na direita Kyo lança seu especial.

Isso me lembra que nem só de navinhas os shmups são feitos (lembra de Knightmare, Hinotori, Esp Ra.De. ?). E que as companhias que viviam só de fighting games estão entrando em crise também.

Shmupsbr - 1 Ano no ar!

Essa passou batido. Fui verificar quantos posts havia feito e notei que no dia 25 de Abril, este blog fez um ano!

Gostaria de agradecer imensamente o apoio de todos, os comentários, a recepção e todos os feedbacks que eu recebo pelo site. Como vocês podem imaginar, ele é imensamente importante para mim e eu tento sintetizar aqui a minha experiência com os shmups, que é o tipo de coisa que eu simplesmente não vejo sentido algum em ficar guardando só para mim.

Não tenho conseguido me dedicar ao site como eu fazia antigamente (afinal, ele começou como uma válvula de escape em um momento de desemprego e eu agora estou empregado novamente), porém, estou tentando achar tempo para sempre postar alguma coisa por aqui. Faltam ainda as próximas tirinhas dos Invaders, uma meia-dúzia de resenhas que foram começadas e não concluídas e mais uma porção de idéias que devem se concretizar nestes próximos meses.

Enfim, muito obrigado à todos os visitantes e aguardem por mais material em breve! Este primeiro ano foi só o começo.

29 de abr de 2009

Vic Viper à venda!


Calma, calma, é só mais um modelo, lindo por sinal, e maior que estas miniaturas "genéricas" que costumam aparecer nos leilões virtuais da vida. Diz o texto (ao menos o que o Google Translator permitiu ler) que o modelo se baseia na nave do Gradius II. Sei não, hein? Me parece mais a última Vic Viper mostrada em Gradius V, toda modernosa. Na versão de MSX também não é, pois a nave deste jogo é a Metalion (da esquerda) que é linda também, mas não tem nada à ver com esta Vic Viper (da direita).

A belezinha aí custa 4500 ienes, o que dá hoje cerca de R$102,00. Nada mal, se não houvessem ainda por cima os impostos (cerca de 60%), taxa de envio (Japão é longe) e graninha do atravessador. Por aqui, qualquer R$500,00 compra, afinal, é raridade. Como se isso fosse justificativa para aumentar sem critério algum o preço de tudo. Tem uma outra verde, feiosa, que eu nunca vi em jogo nenhum e que é ainda mais cara. O site da loja é bem legal, mas todo em japonês.

Por falar em Gradius 2, esse jogo teve várias versões boas. Na de Famicom, em especial, o cartucho vinha com um chip de som extra. A de PC Engine, além de ter um som maravilhoso, é muito fiel ao arcade e tem uma abertura fantástica. A versão de X68000 então, dispensa comentários. Isso porque nem falei do Nemesis 90, que é uma versão do Gradius 2 de MSX para o micrão da Sharp.

Se formos considerar a diferença gritante entre um hardware e outro, chegamos à simples conclusão de que a vida dos programadores de hoje é muito mais fácil que há alguns anos. Afinal, não era como portar algo do X360 para o PS3, os caras praticamente escrever o game do zero. E ainda tem gente que reclama de programar para PS3!

Incrível como surge assunto cada vez que eu escrevo a palavra "Gradius". E olha que era para ser um post curto. Quem sabe Gradius 2 (e todos os spinoffs) não aparecem por aqui em breve...

24 de abr de 2009

Lords of Thunder - Hudson Soft (1993) PC Engine / Sega CD / Wii Virtual Console

Já que eu estou atrasado há um século nas postagens, vamos falar de jogos bons de verdade!


Nos idos de 1993, um primo meu que sempre viajava para o exterior apareceu com uma revista importada onde tinha um anúncio de capa inteira. Era um cara de armadura azul, desenhado pelo Masamune Shirou, o mesmo de Ghost in the Shell, onde havia a frase "Salvation for those Who Praise the Lords", a ilustração (não era exatamente essa, mas era algo do tipo), e depois as telas malignamente pequenas do jogo, cujo nome era Lords of Thunder. Para os padrões da época era uma coisa magnífica. Para um fã de shmups, como eu (que já identifiquei no ato o que era o jogo), era algo mais que magnífico. Porém, este mesmo fã era um pobre adolescente brasileiro que sequer tinha visto um PC Engine na frente, o que fez com que a experiência fosse muito, mas muito desesperadora.


Aqui cabe um adendo: Ok, o PC Engine (apelidado carinhosamente por muitos de "PCE") não é lá a melhor máquina do mundo em termos de hardware. Perdia feio para os concorrentes da época, como Super Nintendo, em vários pontos. Do Neo Geo, então, nem se fala. Mas ele tinha, sem dúvida, a melhor coleção de shmups da época, talvez empatando apenas com o Mega Drive, o que, na minha concepção, o fazia o melhor console do momento (1992-1995), sendo destronado apenas pelo PSX e Saturn, que só pegaram direito no mercado alguns bons anos depois. Aliás, que raiva que não haviam PCEs aqui no Brasil. Eu mesmo, só fui jogar esse videogame nos idos de 1998-1999, quando comprei um.


Enfim, o ano era 1999. Juntei um dinheiro e comprei meu PC Engine. E, claro, o primeiro jogo que eu queria jogar era aquele da capa da revista do meu primo, o shmup esquisito e super hypeado na época, chamado Lords of Thunder (logo depois joguei Dracula X, que também é fantástico, mas a prioridade sempre é os shmups, claro).


O pessoal pegando carona nas costas de uma tartaruga gigante.


Hm... apenas uma correção. Comecei jogando no Sega CD!


Como eu já estava passando mal por causa de Lords of Thunder, saí caçando toda informação sobre o jogo e descobri que existe uma versão para Sega CD, que é até bem legal. Digamos que ela seja 90% da versão do PC Engine, com um nível de dificuldade mais amigável, inimigos mais bobões, cores mais xoxas e som bem mais claro. A versão de PCE é mais bonita, mais difícil mas o som ficou meio abafado. Além do que, eu sempre tive certas ressalvas quanto ao control pad do PCE, que é uma versão quase arredondada, que tenta ser quase ergonômica do joypad do NES, só que com um fiozinho mixuruca de uns 20cm. Ok, 20cm é exagero. Tem uns 25cm. Sério, o fio é ridículo de curto! E convenhamos que o joypad do Mega Drive era bem confortável. Mas, enfim, quem disse que o assunto é ergonomia? Vamos ao jogo.


Lords of Thunder tem características que fazem forte analogia à jogos da toda-poderosa Capcom como Megaman e Strider. Isso é fato. As décadas de 80 e 90 foram o grande celeiro de títulos de várias softhouses e a Capcom foi uma delas, e este jogo bebeu muito desta fonte. Criado de uma parceria entre a Hudson, do Bomberman (que também é criadora do PC Engine) e a Red Entertainment (que fez mais algumas coisas aqui e alí, mas nada digno de citação), o jogo é um side-scrolling que conta com quatro tipos de "armaduras" para o personagem e um ataque de proximidade (que lembra muito o ataque do Strider). Quando você chega perto de um inimigo, o personagem não atira, ele simplesmente saca a espada e o ataca, causando mais dano.


Assim como o já citado Megaman, é possível escolher a ordem dos estágios e a "arma" que se vai usar, ou seja, a chave para apanhar menos no jogo é escolher a armadura certa para cada fase. São elas:


Vale até jogar o dragão do Gradius II no inimigo.


Fogo: Tiro potente à frente, me parece mais útil no nível intermediário que em força total. A bomba é um dragão que persegue os inimigos na tela.


Terra: Pior tiro do jogo, sai forte em diagonal, ideal para áreas com muitos inimigos no chão e no teto. A bomba provoca explosões pela tela toda.


Água: Tiros em linha reta, em ângulo e para trás. A bomba cria um círculo em torno do personagem.


Vento: Tiros perfurantes em linha reta (relâmpagos). A bomba cria uma coluna de raios em cima do personagem.


As quatro armaduras, em um scroll quase bom para a época. Só quase.


Uma outra referência que comprova o quanto a parceria Hudson / Red estava de olho nos acertos da Capcom é a presença da loja, que surgiu em Black Tiger, que foi um dos grandes sucessos de arcade da época (e que, na minha opinião, é um dos melhores jogos já feitos até hoje). Se eu quisesse estrapolar, poderia dizer que muitos sprites lembram o grafismo de Ghouls'N'Ghosts e Magic Sword, mas aí já seria praticamente um post para falar dos jogos da Capcom. :)


Em quantas "humble shops" você já entrou enquanto jogava videogame?


O jogo segue o ritmo normal dos shmups horizontais, cheio de armadilhas, cenários que interagem, chefões enormes e heavy metal do começo ao fim. Além das muitas (e muitas!) influências de outros games, Lords of Thunder consegue ser original na medida certa, divertir, gerar um grau respeitável de desafio e, acima de tudo, mostrar que é possível inovar mesmo quando os gêneros FMV e fighting game já estouravam no mercado e roubavam a atenção da grande massa. Não seria essa uma lição à se seguir? Será que não existem mais fãs de shmups hoje em dia também? O próprio mercado deu a resposta e eis que sai Lords of Thunder (fora tantos outros shooters) nas lojas de downloads dos consoles atuais. Eu só espero, mesmo, que um dia acabem os jogos à ser relançados e que comecem a ser lançados shmups novos...


Score de Lords of Thunder:


Gráficos: 9.5


O jogo é o que eu considero o "limite técnico" do Mega Drive e do PCE para um shmup. Sprites grandes, coloridos, animados, com cenários bonitos e efeitos bons. Existe alguma coisa feia aqui e alí, claro, mas o jogo compensa em outros pontos. Não vou tirar nota dele por conta disso.


Todo mundo ama chefões enormes! Esse, por sinal, é fácil.


Som: 10


Se essa trilha sonora não tira 10, eu não sei qual tira. Sem comentários, apenas ouça.


Desafio: 8.5


A versão de Mega Drive é sensivelmente mais fácil, não sei se por causa do controle ou se foi "calibara" para um público menos hardcore que os viciados em shmup que possuem PC Engine. Destaque para a fase do gelo e do fogo e para as muitas armadilhas que aparecem do nada o tempo todo. Os chefões variam um pouco, alguns são mais fáceis, outros mais difíceis. O último é beeeem chato, como se podia esperar.


Diversão: 10


Este jogo foi jogado por mim durante anos e anos e continua novo. O replayability value dele é alto. Ele é viciante e deveria estar em qualquer coleção. Sim, ele é um must-have, sem dúvida alguma. Ainda tem um discreto background, que é narrado (sim, maravilhas do tempo do CD-ROM!) com direito a filminho manga-like e tudo mais.


Overall: 10


Nem fiz a conta da média. O jogo é nota 10 mesmo. Jogue sem medo de ser feliz.


Pontos Interessantes:


- O nome da versão japonesa é Winds of Thunder. Convenhamos, Lords of Thunder é muito mais legal.


- Durante o jogo, o personagem coleta cristais. Cristais vermelhos enchem a barra de vitalidade e cristais azuis são "dinheiro". Assim como em Black Tiger, é possível comprar armadura à mais, armas novas e bombas extra.


- O personagem "anda" se encostar no chão. Sim, é inútil, mas ficou bacana.


- A espada da armadura da terra parece significativamente mais forte que as demais.


- Teoricamente, o jogo é a continuação espiritual de Gate of Thunder. Os dois jogos não tem muito em comum, à não ser que são ambos ótimos!