19 de mai de 2012

O que jogar no iOS ?

Você que tem um dispositivo que roda iOS, seja um iPhone ou iPad, deve ter notado a imensa profusão de jogos que surgem para ele. São dúzias de jogos novos, todos os dias, lotando as telas da iTunes Store. O problema é saber o que jogar, afinal, dentre 20 ou 30 jogos, salva-se um! Só de clones de Angry Birds, por exemplo, eu já perdi a conta. O mesmo deve ocorrer com o Android, claro, mas eu não tenho um, portanto, este artigo falará apenas do iOS.

A boa notícia é que nós, fãs dos shmups, estamos muito bem-servidos. A má notícia é que nem tudo presta. Um exemplo é o 1942: First Strike, feito pela Capcom (sim, já vou começar detonando os grandes produtores!).


Bonitinho, mas bem ordinário!

Além de ser uma versão simplificada do jogo de Xbox / PS3, te obriga a jogar usando o acelerômetro, ou seja, balancando o aparelho para um lado o e para o outro! O jogo já é difícil, agora, jogar com o sensor de movimento? Sem opção nem para a tela de toque? Nem joystick virtual? Nada? Piada isso, né? Se era para ninguém conseguir jogar, parabéns, vocês fizeram um ótimo trabalho!

Mas, enfim, agora que eu já citei o pior da lista, tudo o que vier é lucro. Vou começar dos piores para os melhores.

R-Type


Pelo menos não te obriga a jogar com o acelerômetro!

Por falar em clássicos, sim, é o velho e bom R-Type de arcade. Sim, ficou jogável. Não, não ficou perfeito. Não, não é nada além de um emulador com um front-end bacaninha e uma adaptação para funcionar com tela de toque. Para não dizer que nada foi feito de diferente, é possível continuar da última fase jogada (o que ajuda muito quem não está acostumado com o gênero ou com a tela de toque). Confesso que apesar de estar falando mal, joguei muito, mas muito mesmo. Acho que parte disto é a frustração por não terem mudado absolutamente nada no jogo. Nem a música eles remixaram, nada, nadinha. É a Sega fazendo escola.

rRootage


Abstrato, mas de graça é mais gostoso.

Kenta Cho, o mesmo autor do sensacional Torus Trooper (se não jogou, vá jogar agora!), lançou uma versão iOS do rRootage (nem faço idéia como se pronuncia isto), que já existia para PC. É um shmup boss-based, ou seja, não tem estágios, só sequencias enormes de chefões um depois do outro. Pode se escolher os modos de jogo no início, que faz com que a nave se comporte de maneira diferente, que é o melhor do jogo. O modo IKA(ruga), por exemplo, permite que você absorva tiros da mesma polaridade que a nave, que pode ser invertida pelo jogador. Há outros modos, com escudos que absorvem tiros (GW ou Gigawing), PSY(variar) e o normal, onde você tem bombas. Apenas duas considerações para encerrar o assunto: 1) O jogo é grátis, assim como todos os outros do autor. 2) Sim, eu falei sério sobre Torus Trooper!

Hypership Out of Control


Saudades do NES?

Ele tem cara de jogo de NES, música de jogo de NES, jogabilidade de jogo de NES, mas tem sistema de conquistas e algumas piadas com o jogador. Obviamente inspirado no visual de Star Soldier (de NES, claro), o jogo coloca sua nave em um cenário que vai acelerando enquanto um labirinto se forma. Você tem que escolher por onde passar, que power-ups pegar e no que atirar, e tem que decidir bem rápido! Apesar de ter várias naves para escolher, não vi diferença nenhuma de uma para outra. É possível achar power ups escondidos, coletar moedas, enfim, tudo o que um bom jogo de NES deve ter. Tem para PC e Mac também.

Super Crossfire


Space Invaders com esteróides (e algum LSD).

Imagine se os fixed-shmups feito o Space Invaders clássico ou Galaga fossem feitos nos dias de hoje. Adicione o visual clássico (só que em HD, tipo o filme novo do Tron), todo reformulado, boa trilha sonora, armas e outros ítens e a possibilidade de se teletransportar para a parte de cima da tela e atirar nos seus inimigos pelas costas. Isto é, a grosso modo, Super Crossfire. O jogo é viciante, rápido, difícil e muito bem produzido. O controle tem um pouquinho de atraso na resposta, mas não chega a atrapalhar o jogo, pois é possível se teletransportar à vontade. Os power-ups não vem aos montes, mas as armas ficam bem fortes, como demonstrado no vídeo. Também está disponível para PC e Mac.

iFighter 2: The Pacific 1942


Sim, existe um iFighter (1), mas não vou colocá-lo aqui por motivos sanitários.

Como a vida é irônica, não? Houve, um dia, um shmup da Capcom chamado 1942. Criou-se uma série de continuações, 1943, 1943 Kai, 1944, depois disso a guerra acabou, fizeram o 19XX, até o dia em que a Capcom resolveu parar a série. Mas, como ainda haviam pessoas que gostavam do gênero, o pessoal da Psikyo resolveu prosseguir "não oficialmente" com o trabalho começado pela Capcom, iniciando a série Strikers 1945, que também teve vários títulos, superando muito os originais. Agora, recentemente, a Capcom lançou seu 1942: First Strike. Novamente é descaradamente copiada e, novamente, a cópia é melhor que o original! Só que desta vez os caras da EpicForce copiaram os da Psykio. O jogo é, praticamente, uma versão simplificada de Strikers 1945 para iOS. São vários aviões, poucas armas, algumas especiais, fora a possibilidade de acumular moedas e comprar novas opções no meio do jogo.

Shmups da Cave


Dodonpachi Ressurrection


Bug Princess / Mushihimesama


Espgaluda II


Dodonpachi Blissful Death


Deathsmiles

Ora, por que falar de cinco jogos que foram portados separadamente? Eles são os mesmos jogos que todo mundo já conhece, só que adaptados para o iOS e a tela de toque. Alguns, infelizmente, não rodarão no iPad 1 (por motivos que eu desconheço, visto que há poder-de-fogo suficiente). Todos estão ótimos, com controles bons e tudo que se espera de um jogo da Cave.

Shmups da Taito


Darius Burst - Second Prologue


Space Invaders: Infinity Gene


Rayforce

A Taito, assim como a Cave, fez seu dever de casa, porém, ainda melhorou as versões anteriores. Todos tem uma coisinha ou outra que foi adicionada, fora o Darius Burst, que está mais bonito que a versão de PSP. O Space Invaders e o Darius Burst já foram resenhados aqui no blog, segue o link.  Bem que a Konami podia fazer a mesma coisa...


Super Laser

Super Laser. Hm. O nome é muito sem graça, mas é um jogão! Trata-se de um clone de Raiden, com alguns elementos de outros jogos, como os lasers teleguiados do Raystorm. A música é muito bacana e os controles são quase perfeitos. O jogo é bem difícil e tem duas opções de naves e várias armas. Parece muito os shmups lançados no começo da década de 90, mas com alguns elementos de jogabilidade atuais (por exemplo, explodir seus options!).


Lightning Fighter

Mais um filhote de Raiden, e esse nem cara de indie game tem! O jogo é extremamente polido. É possível comprar mais duas naves pelo site do jogo, que tem armas diferentes. Duvido que se um Raiden vier a ser lançado para iOS, que ele vai ter a mesma qualidade que este jogo, e, afinal, já ficou provado que é possível fazer. Raiden, assim como R-Type e Gradius vendem muito bem no ocidente, fato que me espanta porque só R-Type tem uma versão para iOS, que é uma grande plataforma hoje em dia, e ainda por cima é um emulador do arcade.


Danmaku Unlimited


Storm Strikers

Danmaku: Unlimited e Storm Strikers são dois jogos parecidos que feitos pela mesma equipe. Os dois foram feitos para usar com a tela de toque, ou seja, sem considerar que o jogador vá precisar de um joypad adicional via bluetooth ou jogar pelo acelerômetro, o que é ótimo! Toda a jogabilidade está amarrada neste conceito, o que torna a experiência excelente. É só ajustar a sensibilidade do controle e tudo fica lindo (isso, no iPad, é obrigatório). Os jogos tem conceitos de Dodonpachi (o laser beam) e Psyvariar 2 (bullet scraping), onde você ganha pontos extras por matar combos de inimigos e passar bem perto de seus tiros. Os dois jogos possuem uma loja para abrir outras opções e naves. No Storm Strikers, ainda, tem algo bem incomum: Suporte a controle bluetooth! 


Shogun: Rise of the Renegade

Shogun não é apenas um shmup bullet hell de ótima qualidade, lotado de opções de jogabilidade e com um bom desafio. Os produtores tiveram o cuidado de realmente estudar a interface da tela de toque e criar algo novo. Você controla a nave encostando o dedo na tela, porém, ao tirar o dedo, o jogo entra em slow-motion e é possível trocar de arma! Sem ficar esbarrando em botões no canto sem querer, morrendo à toa, nada. Fora que o jogo, em si, é muito bom, tanto na apresentação quanto na jogabilidade.

Espero que tenham gostado da lista! Se algum leitor for usuário de Android / iOS e quiser recomendar shmup, fique à vontade.

12 de mai de 2012

Preview - Redux: Dark Matters

Contribuição do Agripa, que já foi convidado a postar aqui, mas que não aceitou por motivos religiosos.



Redux, sequência de Dux, para Dreamcast, vai ser lançado para PSN e XBLA. Parece um filhote de R-Type feito nos anos 2000, para o rei das plataformas de videogames mortas-vivas. Confirma-se, ao que parece, a tendência de trazer toda a (sensacional) biblioteca de Shmups do Dreamcast para os consoles atuais. Nós, os fãs, agradecemos!

Link para a notícia original, via Joystiq.